terça-feira, setembro 26, 2006

Deus sabe como!...


Estes últimos dias foram particularmente preenchidos, Ainda bem!
O fim de semana que passou foi para mim, uma vez mais, a certeza serena de que é Ele que vai conduzindo esta barca de fragilidade que sou eu. A "família" do SDPV esteve reunida no "bunkker" de Souselas. Depois de muitas vicissitudes este fim de semana acabou por ganhar uma configuração diferente daquela que estava prevista inicialmente e transformou-se no fim de semana "bora lá ao trabalho!".
Foi um tempo para rir, para trabalhar, sobretudo dialogar, partilhar a vida, os sonhos, o projecto comum...percebendo sempre que em tudo o que fizermos o protagonismo será sempre o d'Ele e cada um de nós será sempre instrumento.
A diferença e a diversidade de experiências enriqueceu-nos e enriqueceu-me! Não rezámos assim tanto como inicialmente previ, mas como diz o ditado: "Deus escreve direito..."
O Deus das surpresas, o Deus da minha pequenez, ali esteve a provocar-me para dar mais atenção, para acolher mais e melhor, para ser mais humilde e tolerante...da cozinha às diferentes salas de reunião, dos "recém-chegados" à equipa até aos "veteranos"...e assim a noite de sábado terminou já tarde (à 01h já é Domingo!!!). Diante dEle coloquei todos os meus medos, todos os nossos sonhos, o sofrimento de alguns que ali estavam...
Na manhã de domingo o encontro com os nossos irmãos que se reuniam em comunidade à volta do altar...uma vez mais é Ele qu eme surpreende:
uma velhinha, daquelas aparentemente chatas e que apenas nos vão "torrar a paciência", abeirou-se de mim, pequenina, com um rosto sulcado pelas rugas (sinais do tempo que passou e das agruras da vida), com uma mantilha na cabeça, abeirou-se de mim, beijou-me e disse-me: "gostei de o ouvir! obrigado! Sabe, estive na sua ordenação. Nesse dia pedi a Deus uma só coisa, que o fizesse a si e aos seus dois colegas padres "segundo o evangelho" e sabe, hoje agradeci-Lhe..."(e foi-se embora!). Eu não a conheço, ma suma vez mais, e logo depois da Eucaristia, Ele ali estava provocador como sempre!!!
O dia lá continuou e depois de casa arrumada uma outra casa nos acolheu, agora já não estavamos todos...ficámos 5. Foi um tempo de graça! diante dEle feito Pão da Vida rezámos, cantámos, calámos...e deixámos que fosse Ele a "contemplar-nos", a olhar-nos com o seu amor o nosso coração...naturalmente que fomos saciados nesta fonte de salvação e de alegria.
Por isso, Este post não é mais do que uma prece balbuciada a Deus e a cada um deles, pois ao aceitarem "correr este risco" ensinam-me a mim cada vez mais que a Igreja se constrói na comunhão, na corresponsabilidade, na partilha da alegria e da esperança:
Ò Deus, minha esperança e minha consolação, coloco-me na Tua presença e quero bendizer-te por seres o Deus das surpresas, o Deus pequenino, o Deus criança, o Deus da ternura e da misericórdia. Ao agradecer a cada um destes meus irmãos é também a Ti que agradeço.
Obrigado Frei Tibério porque és para mim sempre um sinal de espontaneidade e profundidade.
Obrigado Martinho e Joana pelo vosso testemunho de amor matrimonial simples, discreto e alegre.
Obrigado Pedro por seres para mim um irmão mais novo e constante apelo a uma entrega quotidiana sempre humilde e confiante.
Obrigada Ana Maria por me ajudares com a tua candura a olhar com olhos novos este Deus Connosco.
Obrigado João Pedro e Francisco pela jovialidade, pela audácia e pela humildade com que acolhem a nossa sede de levar a todos este Deus loucamente enamorado pela humanidade.
Obrigada Ana Rita pelo apelo a olhar com mais atenção aqueles que de forma escondida e como grão de trigo se vão gastando ao serviço do reino.
Obrigada Marina e Isabel pela determinação em se organizarem para nos enriquecerem com a vossa presença generosa.
Obrigada Lucinda por me ajudares a compreender que mesmo no tempo da cruz e do deserto continua a valer a pena olhar o horizonte com a esperança do Evangelho.
Obrigado Otília e São Vieira porque mesmo na rectaguarda continua a ser para mim sinal de uma fidelidade criativa.
Obrigado Padre Fernando por seres como és: simples, alegre e testemunha serena da bondade e gratuidade do amor misericordioso de Deus.

1 comentário:

lisete disse...

Obrigada à equipa SDPV de Coimbra pelo muito que me ensinou e ensina a crescer com Deus e para Deus. Que nos trilhos da vida seja Ele a bússola que orienta cada um dos nossos passos.
Para todos o desejo de um bom ano pastoral. Continuem com força e dinamismo.
Lisete, ssd