sexta-feira, julho 15, 2016

O MEU NOME É PAZ!


O meu nome é Paz!
Não me mates com o ódio,
Não me envenenes com a indiferença,
Não me ameaces com a suspeita ou fundamentalismos.

O meu nome é Paz!
Trago nos lábios a ‘luta inquieta’,
dos que não se escondem cobardemente na violência;
sou Irmã dos que plantam diálogo e fraternidade,
sou Mãe dos que se erguem para construir pontes e estreitar as margens,
sou Avó, sábia e prudente, de todos os valentes
que plantam flores e sementes
onde os corações áridos e revoltados semeiam a morte.

O meu nome é Paz!
Paz na terra, nos corações e na vida...
paz finalmente cumprida
quando os homens por Ele amados
Se (re)descobrirem irmãos.

Por fim,
cessem armas e vinganças,
descrenças e desconfianças,
e, sentados na mesma mesa,
repartindo o pão das diferenças
façamos do mundo a casa
onde a paz todos acolhe, contagia e transforma.

O rosto da Paz serás tu, serei eu e meu vizinho
e assim, bem devagarzinho,

...faremos dela um Caminho!



terça-feira, junho 28, 2016

VAI E UNGE!


De quantos encontros são feitos os nossos dias? Na correria do quotidiano é normal cruzarmo-nos com muita gente, vemos apressada e superficialmente rostos, acenamos com a cabeça ou com as mãos para dar uma breve saudação, em alguns casos ainda conseguimos apertar a mão do outro, mas é um ‘toque’ superficial, sem tempo, pois ‘temos de ir’ que o relógio não para.

É urgente que os nossos caminhos quotidianos se tornem ‘sacramento do encontro’, lugar onde nos vemos e nos contemplamos, lugar onde degustamos a vida e a compartilhamos em profundidade, lugar onde o outro se torna parte de mim, lugar onde a história sagrada do outro se torna um apelo a ver, sentir e cheirar o bem, o bom e o belo da vida, de cada vida, em cada história.

Se cada encontro (re)começar com um olhar contemplativo e um coração escancarado (re)aprenderemos, com a força sempre sedutora e vulnerável da ternura, que somos muito mais, e muito melhor, do que imaginamos! (re)descobriremos o eterno em cada momento e o ‘tesouro escondido’ por dentro de cada gesto e palavra pronunciadas. É que afinal nenhum de nós é um obra já acabada e o que falta ainda (re)construir não se encontra na espuma dos dias, exige de nós ir mais fundo...exige discernimento ( = ler por dentro).

A Palavra que nos visita esta semana desperta-nos para uma vida ‘Cristificada’ (Lc 9, 51-62). Com Ele, e como Ele, somos Ungidos ( =Cristo, na língua Grega; Messias, na língua Hebraica); Com Ele, e como Ele, somos Peregrinos que atravessam o tempo fazendo de cada lugar e encontro um Kairós ( = tempo habitado pela Salvação); Com Ele, e como Ele, tocamos as feridas da existência humana e sentimos o doce desassossego do Espírito que faz com que “tudo o que é verdadeiramente humano encontre eco em nosso coração” (GS 1); Com Ele, e como Ele, temos como mesa e altar o quotidiano e ali nos repartimos para sermos sabor e presença do Reino que o Pai nos oferece, não como prémio mas como medida para tudo o que somos, pensamos, dizemos e fazemos; Com Ele, e como Ele, atravessamos a cidade dos homens com o Evangelho no coração e nos lábios para oferecer a todos uma palavra de benção, reconciliação, cura e libertação.


Eu e tu somos uma missão nesta terra, é para isso que estamos no mundo. É preciso considerarmo-nos como que marcados a fogo por esta missão de iluminar, abençoar, vivificar, levantar, curar, libertar. Nisto uma pessoa se revela enfermeira do no espírito, professor no espírito, político no espírito..., ou seja, pessoas que decidiram, no mais íntimo de si mesmas, estar com os outros e ser para os outros’ (EG 273). Então, como fez Elias com Eliseu (Rs 19, 16b), ou como Cristo fez com Pedro e Paulo, também Ele te diz hoje: “Vai...e Unge! Vai...e cura. Vai...e abraça. Vai...e perdoa! A todos, para sempre, como Ele fez. Pois foi para essa Liberdade que Cristo nos libertou. BOA SEMANA!




terça-feira, junho 21, 2016

CUIDO, LOGO EXISTO!

Distraídos e anestesiados somos devorados pelo relógio que nunca para! Bauman diz que vivemos num tempo em cuja identidade ou é de ‘turista’ ou de ‘vagabundo’, as referências e decisões sólidas tornaram-se fluídas e, não obstante a tragicidade de tudo isso, somos cada vez mais indiferentes...

Com seus ritos e dogmas a indiferença vai fazendo caminho entre nós: na falta do ‘bom dia’, na omissão de gentileza, na falta de apreço pelo que o outro é, no modo como nos olhamos pessoal ou coletivamente...estamos, lentamente, a ‘demonizar’ e a esquecer o humano. A nossa memória, quase potenciada ao infinito pela nova religião (do latim ‘religare’) chamada tecnologia, é afinal cada vez mais curta e os nossos “terabytes emocionais”, que deveriam ser espaço (e)terno para o (re)encontro, o diálogo e a partilha, estão cada vez mais monossilábicos e vazios, dando lugar a um sentimentalismo epidérmico e perigoso.

Precisamos, urgentemente, (re)aprender a arte de cuidar e contemplar. Precisamos de silêncio e de um coração de criança para reaprender afetos. Se nos falta encanto para ver o novo, precisamos reaprender a contemplar o quotidiano e a ver em cada instante ‘o milagre’ de um caminho feito de escuta, decisão, ousadia e criatividade. Nenhum de nós é um monólogo. Muito menos somos cinzentos! As cores da vida, e do coração, dão-nos a possibilidade de nos tornarmos ‘semeadores da ternura’ e (re)construtores da esperança.

Cada vida é um (re)começo! Uma história tecida com a filigrana de tantos encontros, palavras, silêncios, gestos, olhares. Sim, podemos recomeçar sempre. Todos os dias. A ternura abre portas onde só vemos paredes, um olhar planta infinito onde só vemos limites, um gesto abre ao futuro onde antes só se via passado, um abraço desperta acolhimento onde antes só se via recusa, e o coração...bom, esse faz-nos sussurrar a Vida onde se via apenas morte!


Quando nos faltar a coragem, ou o medo parecer mais forte, vamos olhar-nos olhos nos olhos ainda mais intensamente, vamos deixar que nossos corações se (re)encontrem e, na cumplicidade que só o Amor desperta, vamos sussurrar um ao outro: “Vou cuidar de ti! Não temas! Dá-me um abraço”. 



segunda-feira, junho 13, 2016

NÃO TEMER O AMOR...

Há quem viva a vida só pela metade. Esses, de medo em medo, semeiam amargura e lamentações, como se existir fosse uma ‘fatalidade’ e viver fosse tão somente um ‘vale de lágrimas’. Para a vida ter saber, sabor e sentido não bastam ‘bons propósitos’, boas ideias ou ‘pensamentos nobres’...já para não falar dos sempre ‘ótimos (e absolutos!) juízos’ que temos acerca dos outros!

Precisamos ser ‘artesãos da vida’. Precisamos urgentemente (re)aprender, com um coração de criança, a acolher sem estar à defesa e a saber que o outro é ‘diferente de mim’, mas não é ‘meu inimigo’; é decisivo que (re)aprendamos a ‘eternidade da ternura’ num simples e demorado olhos-no-olhos e coração-a-coração. É curioso como a poeira do tempo e da história nos vais anestesiando o encanto pela simplicidade...Há quanto tempo não te sentas no colo de tua mãe? Ainda te lembras da última vez que acariciaste o rosto dos teus avós? Quantos abraços tens oferecido aos que se cruzam contigo diariamente? De quanto perdão vão carregadas as tuas palavras? E os teus olhos como contemplam a presença discreta e silenciosa do Deus-Amor no mundo? Não te parece contraditório que nós, os discípulos de Cristo, sejamos tantas vezes os primeiros a ‘amaldiçoar’ o tempo e a história em que vivemos? Se cada um de nós se desse conta do quanto Deus age na história não perderíamos tanto tempo com as ‘lamentações de perdição’ e os nossos dias seriam uma sinfonia de ação de graças. Não sou ingénuo, sei que o mal existe no mundo, sobretudo nos corações fechados, mas o bem que vemos, ouvimos e fazemos é infinitamente maior!

A Palavra desta semana encontra-nos e desconcerta todos os nossos esquemas e pré-juízos! O que está em causa naquele ‘encontro’ na casa do fariseu não é o pecado, mas a nossa capacidade de acolher (Lc 7, 36-50). Não basta deixar entrar e ‘preparar a mesa’, isso é ‘boa educação’, é preciso que o outro tenha espaço no nosso coração, e isso é Evangelho! Só é capaz de oferecer um perdão desmesurado quem sabe que cada pessoa é terra e história sagrada, que todos somos recomeço e que Deus é o único que não desiste de nós e o primeiro a levantar-nos. O perdão não é uma questão de ‘contabilidade’, é oferta antecipada de um dom imerecido, incondicional e gratuito. “Ninguém pode ser condenado para sempre pois esta não é a lógica do Evangelho” (AL 297).

No frasco de alabastro levado pela mulher-peregrina vai a oferta do seu quotidiano. É a oferta total, amorosa e confiante da sua fragilidade, dos seus recomeços, das suas dores, perdas e angústias. É a sua oração de súplica, antecipando não somente o anúncio da morte de Jesus, mas também a sua própria morte para uma ‘vida velha’ feita de descaminhos. Ela sabia que só Aquele que é a Vida poderia vencer todas as mortes que trazia dentro! Foi assim que silenciosamente, naquela casa, o encontro gerou o perdão e no perdão se deu a cura (interior). Sim, o perdão de Deus levanta-nos sempre sem nos humilhar e renova em nós a certeza de que somos filhos e não mais mendigos. Gosto de olhar este encontro como uma metáfora da nossa vida...gosto de ficar ali em silêncio de olhos fixos em Jesus e naquela ‘mulher-coragem’ que nos ensina a ‘não temer o Amor’. Este encontro desperta sempre em mim um sonho...partilho-o contigo: Sonho com o dia em que todos nós os batizados acreditarmos INFINITAMENTE no perdão de Deus...nesse dia começaremos a ser Cristãos! BOA SEMANA!



*É bom (re)lembrar:

“Saiamos, saiamos para oferecer a todos a vida de Jesus Cristo! (...) Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarra às próprias seguranças. Não quero uma Igreja preocupada com ser o centro, e que acaba presa num emaranhado de obsessões e procedimentos. Se alguma coisa nos deve santamente inquietar e preocupar a nossa consciência é que haja tantos irmãos nossos que vivem sem a força,a luz e a consolação da amizade com Jesus Cristo, sem uma comunidade de fé que os acolha, sem um horizonte de sentido e de vida. Mais do que o temor de falhar, espero que nos mova o medo de nos encerrarmos nas estruturas que nos dão uma falsa proteção, nas normas que nos transformam em juízes implacáveis, nos hábitos em que nos sentimos tranquilos, enquanto lá fora há uma multidão faminta e Jesus repete-nos sem cessar: ‘dai-lhes vós mesmos de comer’.” (Papa Francisco, EG 49)

terça-feira, maio 31, 2016

UM CORAÇÃO “KINTSUGI”...


A nossa vida quotidiana é cheia de surpresas, eventos, alegrias, dores e sofrimentos. Nela há tantas histórias, lugares e pessoas que nos marcam profundamente; há abraços e memórias, palavras, olhares e encontros que tornaram (e)terno um instante. Na nossa história pessoal há também pessoas que nos feriram...há mágoas que teimamos não deixar cicatrizar, há silêncios amargos, ‘pesos interiores’, há recordações que são mais barulhentas que um campanário em dia de finados...

Por entre a memória e afeto, cheios de passado ou escancarados ao futuro, há também dentro de nós ‘o dom das cicatrizes’. De quantas cicatrizes é feito um coração? É uma pergunta que talvez nos possa acompanhar estes dias! Todos somos afeto...e sem afeto nada somos. É importante que o nosso coração saiba olhar para além dos sentimentos mas também que aprenda a discernir sem a frieza de uma racionalidade estéril que sabe reagir, analisar, planejar mas que dificilmente tocará algum dia a realidade.

Sabemos pela Palavra da Vida, o Evangelho, que não adianta projetar se não estamos dispostos a sujar as mãos! Não adianta saber quem é Deus se não nos deixamos encontrar e converter por Ele. De que adianta, aliás, saber (e debitar!) todo o Catecismo se na verdade não somos habitados pelo Evangelho? A experiência de fé não é uma decisão ‘ética’ ou ‘estética’, é encontro! E todo o encontro pressupõe uma história sagrada, um caminho, uma vida...

É muito interessante lembrar aqui a arte japonesa do kintsugi (ou kintsukuroi), arte que consiste em reparar com ouro objetos de cerâmica quebrados. Ela nos re-ensina, a nós que somos nutridos pelo Evangelho, como para Jesus cada encontro é uma vida, e toda a vida é um encontro. Sem filtros ou barreiras, sem impossíveis ou distâncias. O Mestre de todos os encontros é também o único que sabe que embora possamos cometer alguns erros, jamais seremos um erro!

É este ‘excesso do dom’ que interpela e seduz, é este “Amor-de-todo-o-amor” que faz do Centurião um peregrino (Lc 7, 1-10). É este Amor que converte e salva que nos coloca ‘em saída’ e nos faz ver que, para além dos nossos preconceitos, para além dos nossos julgamentos, para além dos nossos filtros hipócritas, há muito ‘dom’ a acontecer. Jesus, ‘o Profeta fora da lei’, faz-nos ver como ‘fora do templo também há salvação’! Ei-Lo provocador a lembrar-nos: “Digo-vos que nem mesmo em Israel encontrei tão grande fé”. Não se trata simplesmente de um elogio, mas de um olhar contemplativo e de um encontro que viu naquele coração os fios de ouro (kintsugi) da ação divina, o dom divino a fazer do Centurião-peregrino um modelo para todos os que buscam contemplar as cicatrizes (o ouro!) onde outros só veem passado (ódio/amargura). O Centurião de Cafarnaum é ‘parábola’ do caminho que ainda nos falta fazer! Nesse caminho o primeiro passo, que nos desinstala e transforma, dá-se quando a nossa vida é capaz de dizer: “Senhor, não sou digno que entres em minha casa, mas diz uma palavra...e serei curado!”.





terça-feira, maio 10, 2016

CORAÇÕES AO ALTO!


De quanto céu é feita a tua vida? É uma pergunta essencial para quem ousa ir além da espuma dos dias! Não se trata de ‘ser bonzinho’ ou de ‘fazer de conta que o mal não existe’, muito menos se trata de ser ‘ingénuo’. Encher a vida de céu significa colocar como ponto de partida de cada passo, e em cada gesto ou palavra, o discernimento. Trata-se essencialmente de um processo de ‘degustação interior’ que permite ver o que nos humaniza e aquilo que nos desfigura.

Vivemos num tempo onde leveza é confundida com superficialidade, reflexão e ponderação são olhadas como ‘uma perda de tempo’, e como já ‘não temos tempo’ segue-se adiante, de experiência em experiência, aumentando cada vez mais o vazio existencial. Vai-se enraizando, sobretudo nas novas gerações, um certo ‘analfabetismo emocional’ que privilegia uma vida cheia de emoções e comoções mas que é incapaz de fazer olhar ‘para longe’ e ‘para o alto’. A grande crise que vivemos não é primeiramente moral, vivemos isso sim uma verdadeira ‘crise humanitária’ e espiritual. Precisamos reaprender a ser humanos, precisamos reencontrar-nos com as grandes questões da vida e do mundo, não basta saber para onde temos de ir é preciso educar a vontade...e querer ir! Esta é talvez a maior pobreza do nosso tempo: não sabermos quem somos, esquecermo-nos de onde viemos e não ousarmos ir onde Deus nos sonhou e nos espera.

O Evangelho, boa notícia do coração de Deus para o mundo, vem em nosso auxílio e desperta-nos da ‘espuma dos dias’ (Lc 24, 46-53).  O Ressuscitado encontra-nos, como aos discípulos, em Betânia ( = Casa do Pobre) e pede que a nossa pobreza, sem deixar de ter os pés bem firmes na terra, se habitue a ‘olhar para o alto’. Não se trata de fuga, mas de um sentido: aceitar que cada gesto da nossa inteligência e do nosso coração esteja ‘cheio de céu’. É que, quando o céu nos habita, a indiferença dá lugar ao diálogo, o ódio é vencido pela ternura, a distância encurta-se e faz-se encontro, o egoísmo é vencido e tudo se torna motivo para servir.

Na escola do Evangelho só avança quem aceita ser moldado pelo ‘Amor do Pai e do Filho’, o Espírito Santo. Aqui não há lugar para auto-suficiência! Neste caminho o ‘fazer juntos’ é mais importante que o ‘fazer tudo certo’. É por isso que esta ‘sedução pelo céu’ só é possível, e acontece, num coração-templo!

Com ritmos e experiências diferentes é fundamental redescobrir que somos ‘peregrinos com um coração-templo’. A caminho do Pentecostes, pedimos ao Único Amor capaz de ‘renovar a face da terra’ que venha em nosso auxílio, cure as nossas feridas e nos ajude a “que os nossos olhos, feitos para olhar as estrelas, não morram a olhar para os nossos sapatos” (J. Tolentino Mendonça).




“Quem és tu, doce Luz que me preenche e ilumina a obscuridade do meu coração? Conduzes-me como a mão de uma mãe e se me soltasses, não saberia nem dar mais um passo. És o espaço que envolve todo meu ser e o encerra em si. Se fosse abandonado por ti cairia no abismo do nada, de onde tu o elevas ao ser. Tu, mais próximo de mim que eu mesmo e mais íntimo que minha intimidade, e sem dúvida, permaneces inalcançável e incompreensível, e que faz brotar todo nome: Espírito Santo – Amor eterno!”
(Oração de Edith Stein, uma santa nossa contemporânea e vítima do regime nazi em Auschwitz)

terça-feira, abril 26, 2016

NÃO É UTOPIA...É EVANGELHO!


Não há nada mais vulnerável no mundo do que o Amor. No entanto, toda essa sua vulnerabilidade nos revela um paradoxo extraordinariamente belo: na sua fragilidade (omni)potente o Amor cria, cura, liberta, transforma, converte. Basta ver o que pode o abraço amoroso do pai após uma queda quando somos pequenos; e quem já esqueceu o calor da ternura da mãe que vigiava, de noite, o nosso respirar enquanto dormíamos? Ficarão para sempre impressas na nossa alma as palavras e as carícias que enxugaram as nossas lágrimas quando se feriram os nossos joelhos nas primeiras quedas da infância; continuaremos a ‘degustar eternamente’ o colo que sempre foi amparo quando os medos pareciam mais fortes que a coragem.


O amor adianta-se sempre para perdoar. Cria laços e desperta recomeços. Faz-nos dançar, pular e cantar de alegria. Faz-nos ajoelhar para agradecer e servir. Faz-nos caminhar porque desperta sonhos e alimenta projetos. Faz-nos calar, pois sabe acolher, escutar e discernir. Faz-nos parar para contemplar, pois nos ensina a ver o eterno no instante. Cheio de beleza, e com o perfume do afeto, o amor faz-nos peregrinos em busca da sabedoria que nasce do encontro com a verdade. Faz-nos discípulos quando se revela a nós como Amor-Pascal, Amor-Crucificado, Amor-Ressuscitado.


É com este Amor, que faz novas todas as coisas (Apoc. 21, 5), que nos abraça a Palavra desta semana! Mais que um ‘mandamento’, é uma ‘identidade nova’. No tempo e na história, não haverá nunca outro modo de conhecer e reconhecer um discípulo de Cristo a não ser por este Amor-Pascal que tudo renova, tudo crê, tudo espera e tudo suporta (1 Cor 13). Naquele “Como eu vos amei” do Mestre, está o início da maior revolução da história da humanidade (Jo 13). Não poderemos mais viver ‘na defesa’ ou ‘no ataque’, não mais poderemos separar ‘maniqueísticamente’ o mundo entre ‘os bons’ e ‘os maus’, jamais se poderá grampear com o Amor-Pascal palavras como poder, luxo, auto-suficiência...


O Amor-Pascal é sempre oferta de recomeço, Ele mesmo sabe que estamos ainda titubeando no caminho! Só Ele nos pode despertar da acomodação e entusiasmar a fazer caminho.


Estamos diante da ‘porta da fé’ (actos 14, 27), que se abre de dentro para fora, e nos interpela a derrubar as nossas idolatrias com a força vulnerável do único Amor que salva. Um Amor que não é novela, nem a banalidade do ‘happy end’ de hollywood.


No Amor-Pascal estamos sempre no (re)começo, pois “Jesus Cristo quer [que sejamos] uma Igreja atenta ao bem que o Espírito derrama no meio da fragilidade” (AL 308). Um amor que não toque a fragilidade, que não abrace as periferias, que não se deixe ‘sujar’... não é amor cristão! Um Amor assim não é utopia, é Evangelho! Boa Semana.